Posts Tagged With: conscientização do aluno

Esporte Sangrento

      Only the Strong é de 1993 e para nós é mais conhecido como “Esporte Sangrento”. O que nos chama a atenção nessa produção não é apenas o fato de ser uma produção estadunindense, mas por ser a capoeira praticamente o ponto central da trama. É através da capoeira que o nosso personagem principal consegue transformar jovens problemáticos em “homens de bem” naquela sociedade.

      O que nos salta aos olhos logo na abertura do filme é a paisagem: o que vemos é uma densa selva, nos remetendo ao caráter selvagem que a capoeira provavelmente tem para os produtores e demais responsáveis pelo filme. Um pouco daquela ideia de que este esporte é brutal por vir de um local onde somente os mais selvagens sobrevivem e vivem.

      Estamos em 1993, mas o nosso personagem, que é um Boina Verde, aprende a capoeira no coração da selva e não em qualquer outra cidade brasileira, que já na época eram polos de difusão da capoeira, como a própria Salvador e o Rio de Janeiro. O que nos incomoda é que o mocinho aprende na selva e o “bandido” na pior favela do Rio de Janeiro. Percebe-se não só preconceitos, mas uma pitada de inferioridade colonizado-colonizador.

      Afinal, o que fazem os Boinas Verdes na selva amazônica? Que intervenção militar é essa que os americanos fazem em território brasileiro? Podemos perceber esse desconforto quando o superior do nosso “herói” chega à aldeia onde acontecia uma roda de capoeira e a festa é interrompida imediatamente. Os olhares são claramente de irritação e desconforto por parte dos moradores.

    O que podemos inferir com esta pequena e introdutória cena é que, além de nos verem como fracos soberanamente, pois precisamos de intervenção militar dos famosos Boinas Verdes, consideram nossa luta brutal e selvagem, ligando a sua prática ao que há de animalesco e tribal no povo brasileiro.

     Queremos salientar que essa não é uma visão extremista e surreal que temos do filme e de sua produção. Devemos lembrar que estávamos já na década de 90 do século XX, assim sendo o mundo já nos conhecia e sabiam muito bem quem éramos e de onde viemos e o que de fato fazíamos.

    Percepções da realidade brasileira e da capoeira como essas foram levantadas nos primeiros 5 minutos de filme, provando a existência marcante do preconceito dos ditos países desenvolvidos com os países ainda em desenvolvimento. Estávamos na época em um processo de construção democrática, pós-ditadura e impeachment do Collor. Estaríamos iniciando naquele ano um novo processo político, que no ano seguinte culminaria com o plano real e o início do nosso desatolamento financeiro e político. Não menos importante: em 1994 iríamos para os EUA e venceríamos o torneio de futebol mais importante do mundo.

    Ideias como essa de subordinação cultural e social jamais devem ser toleradas por nós. Devemos combater firmemente a ideia que de somos somente o paraíso sexual dos gringos e que somos apenas o país do futebol, do samba e da mulata reboladeira. O filme, apesar de ter seu início todo carregado de preconceito, também traz consigo elementos importantes.

      Por mais que seja um divulgador ambulante de preconceitos, não podemos negar que Esporte Sangrento foi, em muita medida, a mola propulsora da divulgação da capoeira no mundo. Não só de crítica negativa é feita esta análise: o filme mostra a face agregadora e sem preconceitos da capoeira, onde todos, de todas as etnias e classes sociais, podem dela usar e nela conviver de forma harmônica.

   Esse conceito agregador e disciplinador da capoeira que aparece no filme usado para recuperar jovens “problemáticos” está em pleno exercício por diversos grupos de capoeira espalhados pelo país, muitas vezes sob a forma de projetos sociais e projetos escolares. Esporte Sangrento seria somente mais um filme clichê de ação estadunidense, onde temos o mocinho, o bandido e a bela donzela, mas, diferentemente de muitos, o filme dá um destaque mais do que especial para a nossa arte-luta.

    Portanto, ressalvadas as questões teóricas, metodológicas e sociais que envolvem a produção do filme, não podemos negar a sua importância no cenário mundial e como colocou a capoeira em um destaque que até então não se conhecia.

      Assim, desfrutemos desta produção, mas com nossos olhos e ouvidos muito atentos ao que é dito e reproduzido e lembremos que a nossa arte-luta evoluiu muito de lá pra cá em todos os aspectos, tanto musical, quanto físico e didático. Então, mentes abertas e sempre críticas.

Bom Filme!

Categories: Filmes e documentários | Etiquetas: , , , , , , | Deixe um comentário

A Capoeira na Cultura Cômica Popular

          Por mais que a capoeira venha a passos largos demonstrando que não é de forma alguma apenas uma dança, ou folclore nacional, o imaginário popular e cômico ainda tem se mostrado retrógrado e atrasado. Poderíamos elencar aqui diversos fatores que contribuíram para que essa ideia fosse suplantada e até hoje vigente, e uma delas é sem dúvida nenhuma o interesse do Estado em deslegitimar uma manifestação de resistência tanto física quanto filosófica dos africanos, afrodescendentes e marginalizados.

          Para nós que acompanhamos o desenvolvimento da capoeira, tanto cultural quanto organizacional percebemos que o pensamento de que era apenas uma dança onde “negros faziam para se distrair”, é mais do que furada e totalmente sem balizas históricas e historiográficas.

        Ao mesmo tempo em que vemos a valorização da capoeira enquanto manifestação social e cultural tanto no Brasil quanto no mundo, o ranço de ser apenas um folguedo sem ofensividade ou de não ser imbuído de características similares as artes marciais orientais ainda está presente, e o fato que mais nos salta aos olhos é que a crítica camuflada em sátira vem principalmente de nós, brasileiros.

         Alguns se perguntarão, mas qual o problema é apenas brincadeira? Respondo a esta questão com outra: por que então este tipo de sátira não é feito com as outras formas de luta que aqui no Brasil se praticam de forma tão arraigada quanto? Uma das respostas que podemos extrair é que nós mesmos não damos valor para a nossa própria cultura.

         O canal do YouTube Porta dos Fundos, publicou em sua página um vídeo onde é simulado uma luta de MMA,  um dos personagens é lutador de capoeira, e a visão que o canal passa da capoeira enquanto luta é visivelmente diminuída e desmerecida, e percebemos isso logo de cara apenas pela compleição física do praticante que é em nada parecida com a de um atleta de alto rendimento,  enquanto o seu oponente com físico atlético é  “mortal e sanguinário” balizando sua contundência em todas as artes marciais orientais por ele conhecidas.

         Somente da diferença do físico podemos extrair dois argumentos que validam nossa tese, primeiro a capoeira não é para os produtores desse canal do YouTube um esporte que seja capaz de transformar a pessoas em uma “máquina de matar”, como as artes marciais que seu oponente pratica, e segundo podemos também levantar a questão que para ser lutador ou praticante de capoeira não é preciso dedicação, pois não há necessidade de manter a forma ou desenvolvimento muscular para a prática da mesma.

         A deslegitimação da capoeira enquanto luta eficaz está presente em todo o vídeo que compartilhamos logo abaixo. Pode para alguns não ser grande coisa por ser comédia, mas até que essa imagem de dança-folclore que a capoeira possui não for tirada desses conteúdos propagadores de cultura, será mais difícil que ela seja vista novamente como uma luta criada para defesa e resistência. Não digo que ela não seja rítmica e que muito menos não faça parte do nosso cabedal de processos culturais, mas como já discutimos no Itan Òbe com os artigos de Simone Pondé, essa imagem de dança inofensiva é uma construção coletiva criada para diminuir e desmerecer toda importância belicosa que a capoeira teve no decorrer de todo o século XIX e início do XX.

          O que torna mais interessante é que esta sátira vem na contramão dos fatos que vemos hoje, pois a cada dia que passa a capoeira ganha mais espaço no mundo do MMA por seus golpes traumatizantes e pela grande movimentação que a capoeira dá ao seu praticante que são essenciais para o desenvolvimento do atleta no MMA, fato este também já foi mencionado pelo Itan Òbe em um vídeo onde vemos o uso da capoeira como forma de defesa eficaz.

          A capoeira ainda é jovem e tem muita história para contar de seu passado e muita força para se fazer marcante no presente e um notável futuro pela frente.

Continuar a ler

Categories: Videos | Etiquetas: , , , , , , , , , | Deixe um comentário